quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2008

A perspectiva de Durkheim

Durkheim é um autor que estudou a religião em sociedades pequenas, considerando a religião como uma “coisa social” (Ó Dea, 1969).
Para o autor, na questão religiosa há uma preocupação básica que é a diferença entre sagrado e profano. Durkheim é bem explícito ao afirmar que: “o sagrado e o profano foram sempre e por toda a parte concebidos pelo espírito humano como géneros separados, como dois mundos entre os quais nada há em comum (…) uma vez que a noção de sagrado é no pensamento dos homens, sempre e por toda a parte separada da noção do profano (…) mas o aspecto característico do fenómeno religioso é o facto de que ele pressupõe uma divisão e bipartida do universo conhecido e conhecível em dois géneros que compreendem tudo o que existe, mas que se excluem radicalmente. As coisas sagradas são aquelas que os interditos protegem e isolam; as coisas profanas, aquelas às quais esses interditos se aplicam e que devem permanecer à distancia das primeiras.” Ou seja, para Durkheim, há uma natural superioridade do sagrado em relação ao profano (Durkheim, 1990).
É possível constatar que a participação na ordem sagrada, como o caso dos rituais ou cerimónias, dão um prestígio social especial, ilustrando uma das funções sociais da religião, que pode ser definida como um sistema unificado de crenças e de práticas relativas às coisas sagradas. Estas unificam o povo numa comunidade moral (igreja), um compartilhar colectivo de crenças, que por sua vez, é essencial ao desenvolvimento da religião. Dessa forma, o ritual pode ser considerado um mecanismo para reforçar a integração social. Durkheim conclui que a função substancial da religião é a criação, o reforço e manutenção da solidariedade social. Enquanto persistir a sociedade, persistirá a religião (Timasheff, 1971).

Bibliografia:

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 4ª Edição, Lisboa: Presença, 1991.

Ó DEA, Thomas F. Sociologia da religião. São Paulo: Pioneira, 1969.

TIMASHEFF, Nicholas S. Teoria Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.

2 comentários:

Anónimo disse...

como faço para entrar em contato com algum membro deste grupo?, sou investigador brasileiro e estou neste momento em Portugal,

aguardo um contato
egabriel@usp.br

Anónimo disse...

Como faço para contatar Vitor ?

alcemar.oliveira@gmail.com